O que é transplante lamelar de córnea PDF Imprimir E-mail
Escrito por Fernando Moro   
Ter, 01 de Junho de 2010 22:23

 

O primeiro órgão a ser transplantado com sucesso na história da medicina foi a córnea. O mérito coube ao oftalmologista austríaco Edward Zirm, em 1905. Embora a cirurgia tenha registrado grandes avanços ao longo do último século, a técnica mais comum hoje em dia ainda é bastante invasiva. Ela exige que se removam 80% do diâmetro da córnea do receptor e que se troquem todas as camadas do órgão. A remoção da mais profunda delas, o endotélio, é o procedimento que apresenta o maior risco de rejeição – 30% dos pacientes submetidos a um transplante perdem a nova córnea por causa disso. Foram desenvolvidas duas maneiras de evitar essas complicações. Uma delas é o transplante lamelar anterior. Trata-se do implante da córnea sem o endotélio. Essa técnica é recomendada sobretudo aos portadores da doença ceratocone. As vítimas desse mal apresentam uma deformidade na córnea que, aos poucos, leva à cegueira. Com a nova técnica, é possível que elas recuperem até a capacidade visual com menor risco de rejeição. A outra inovação é o transplante lamelar posterior. Indicada para doenças que afetam o endotélio, a nova técnica não elimina o risco de rejeição, mas diminui o risco de alto astigmatismo.

 

Última atualização em Ter, 06 de Setembro de 2011 12:00